Mais qualidade de vida

Você já chegou em casa, cansada de um dia de trabalho, querendo tomar um banho e relaxar e, no entanto, precisou respirar fundo e arrumar forças para cuidar das crianças e fazer as inúmeras atividades domésticas, antes do merecido descanso? Realmente a vida da mulher tem dupla ou tripla jornada e nós assumimos tantas atividades, que acabamos frustradas quando não dá tempo de fazer as coisas que gostaríamos.

Quem tem filhos sabe que não é moleza conciliar o trabalho com a família. As crianças demandam muita atenção e cuidados e, por essa razão, algumas mulheres acabam optando por serem mães em tempo integral. Levar os filhos para a escola, marcar pediatra, comprar roupas (porque eles não param de crescer!!!), acompanhar as tarefas, ajudar a estudar para as provas, levar para cortar o cabelo, pro inglês, futebol, ballet, piano, natação…

A lista de atividades é bem grande e, quando nos damos conta, já estamos afogadas em uma rotina corrida e estressante. Acabamos abrindo mão de fazer as coisas que são importantes para nós por pura “falta de tempo”.

A essa altura você deve estar se perguntando: “ok, mas o que tem de novo nisso?”, isso não é normal? Na verdade não tem nada de novo e essa situação é bem frequente mas, não, isso não é normal. Essa correria não é sustentável no longo prazo e acaba trazendo desarmonia para dentro da família. Mas posso te dizer que eu também já me senti assim, frustrada por não ter o tempo que eu gostaria com a minha família e para fazer as coisas que eu gosto. Então, pensando na dificuldade que as mulheres têm em dar conta de tantas atividades e como isso tem afetado o dia a dia das famílias, resolvi compartilhar com você algumas coisas que me ajudaram a ter uma vida mais organizada e, consequentemente, mais qualidade de vida.

Sucesso ou qualidade de vida?

Muitas pessoas associam uma vida atribulada como sinônimo de sucesso. Hoje em dia viver na correria se tornou uma coisa normal. Mas, na realidade, viver “sem tempo pra nada” significa que estamos ocupando o nosso tempo de forma improdutiva e tornando a nossa vida um eterno apagar de incêndios, sem parar para refletir se essa rotina nos faz feliz. Mas será que precisamos escolher entre ter qualidade de vida ou ser bem sucedida?

como-ter-uma-vida-equilibrada-entre-trabalho-e-familia

Às vezes parece difícil de acreditar, mas existe tempo para fazer tudo o que importa pra você! Para isso é preciso retomar o controle do seu tempo para viver a vida que você sempre sonhou. Equilibrar o trabalho, o tempo com a família, cuidar da saúde e ainda ter tempo livre para o seu desenvolvimento pessoal não é tarefa fácil, mas é essencial para se ter qualidade de vida e, abrir mão disso, tem um preço bem alto. Pesquisas mostram que quando estamos constantemente sob stress podem ocorrer problemas graves na nossa saúde. O stress acelera o envelhecimento, aumenta a pressão arterial, deprime o sistema imunológico, gera doenças, pode causar depressão e obesidade. Então, não se engane, não é normal viver uma vida estressante e não ter tempo!

Além disso, abrir mão de ter tempo livre não implica em ser mais produtivo. Estudos dizem inclusive que, quanto mais horas trabalhamos, menos somos produtivos. Se o tempo é o mesmo para todas as pessoas, você já se perguntou porque algumas pessoas parecem conseguir ter mais qualidade de vida que outras?

Com certeza você já ouviu falar ou até mesmo tentou usar planilhas e aplicativos para ajudar a organizar a sua agenda. No começo essas ferramentas até podem ser úteis, mas com o tempo, percebemos que elas dão mais trabalho para serem alimentadas do que ajudam na prática e acabamos desistindo delas. Na verdade não adianta usar ferramentas tradicionais de produtividade para organizar uma vida sobrecarregada. Existem outros passos fundamentais que você precisa dar antes disso.

Mas eu quero te dizer uma coisa: você também é capaz de se tornar uma mulher mais produtiva e mais feliz e, para isso, o primeiro passo é entender como você está fazendo uso do seu tempo hoje.

Entendendo o seu dia a dia

Para melhorar a sua relação com o tempo você precisa entender o que você tem feito no seu dia a dia, ou seja, como é a sua rotina. Mapeando o seu dia a dia você será capaz de identificar oportunidades de ser mais produtiva e mais feliz.

Quando queremos emagrecer, por exemplo, e procuramos ajuda de um nutricionista, a primeira coisa que ele pergunta é quais são os nossos hábitos alimentares. Muitas vezes, ele pede para inclusive para anotarmos tudo o que comemos durante alguns dias. O ato de colocar no papel o que estamos comendo, faz com que tenhamos maior consciência da qualidade da nossa alimentação.

Da mesma forma, entender a sua rotina significa colocar no papel como você está usando o seu tempo.

Agora que você já listou suas atividades analise a sua lista e pinte com uma cor diferente as que são importantes pra você. Liste também as coisas que você gostaria de fazer se tivesse tempo livre.

Essas 3 perguntas vão te ajudar a mapear a sua rotina e a entender porque você não encontra tempo para fazer o que é importante pra você:

  1. Quais são as suas atividades diárias e semanais?
  2. O que você tem feito que é importante pra você?
  3. O que é importante pra você que você não tem tido tempo para fazer?

Agora que você já fez um mapa da sua rotina e entendeu como você está utilizando o seu tempo, vou te mostrar como criar tempo na sua agenda para poder fazer algo que te dê prazer.

Criando tempo na sua agenda

Para criar tempo livre na sua agenda é preciso dizer não para algumas coisas. Isso significa que, se queremos incluir algo em nossa rotina, precisamos nos livrar de outras coisas. Definir o que fazer é uma das principais ferramentas de produtividade. É o mesmo conceito que usamos para arrumar um armário, ou um ambiente. Quem já assistiu aquele programa “Santa Ajuda”, pôde observar que a primeira tarefa é separar os objetos que usamos dos que não precisamos mais. No fundo é aplicar o conceito “mais é menos”. Se conservarmos apenas o que é importante, seremos mais organizadas e saberemos onde encontrar as coisas quando precisarmos. Da mesma forma, na nossa vida precisamos selecionar as atividades importantes e se livrar daquelas que nos ocupam, mas que não são importantes.

escolher_agenda1_4011294213359

Mas você deve estar se perguntando, como se livrar das coisas não importantes, ou até mesmo, como identificar as coisas não importantes? Afinal, se fazemos algo é por que é importante. Na verdade, fazemos porque não paramos para pensar se é importante ou não, mas simplesmente porque tem que ser feito. Dessa forma, para conseguir identificar essas atividades, pense em coisas que você pode fazer para facilitar a sua rotina. Coisas que você pode fazer diferente. Será que você pode fazer compras pela internet ao invés de ir ao supermercado? Pense nas atividades que você pode delegar para outra pessoa para que elas não dependam mais exclusivamente de você. Você já pensou em utilizar o transporte escolar ou se revezar com um vizinho para levar as crianças para a escola?

Seja criativa e pense em todas as possibilidades. Mantenha a sua mente aberta, sem se autocensurar. Essa técnica é chamada de brainstrorming, ou chuva de ideias. Depois de levantadas as ideias, selecione as que podem trazer mais ganho para sua vida.

Agora que você já identificou algumas mudanças que vão fazer com que tenha mais tempo livre para fazer o que é importante para você, vou te mostrar que planejamento não é um bicho de sete cabeças e é uma boa forma para você conseguir atingir os seus objetivos.

Aprendendo a se planejar

Algumas pessoas acham que planejar é algo complicado ou chato, mas planejamento e organização traz segurança e previsibilidade para a nossa vida. O planejamento vai te ajudar a se tornar uma pessoa mais focada. E eu não estou falando que para isso você precisa ter a sua vida controlada por uma agenda ou algum aplicativo milagroso. Precisamos aprender a gerir o nosso tempo de forma consciente e para isso precisamos de um método que seja flexível o suficiente para se adequar à uma rotina de uma mulher ocupada, com diferentes atividades e imprevistos.

Para começar a organizar a sua vida, comece com pequenas ações como por exemplo pensar no dia seguinte. Pense em pelo menos uma tarefa que você precisa realizar e pense como e qual o melhor momento de fazê-la. Depois experimente fazer uma lista de coisas que você precisa fazer. O mais importante ao se fazer uma lista é o processo mental de pensar no que precisa ser feito. Esse ato em si é um momento de planejamento, onde você escanea o cérebro em busca de informações que foram armazenadas de forma aleatória, organiza e valida essas informações. Fazer uma lista, além de nos ajudar a identificar as atividades, vai nos ajudar a separar o que é importante do que não é.

Muitas pessoas quando entendem que é possível ter mais qualidade de vida apenas reestruturando a sua rotina se sentem motivadas a mudar. Então comece hoje mesmo! Entenda o seu dia a dia mapeando a sua rotina para identificar se o que você tem feito com o seu tempo. Crie tempo na sua agenda se livrando do que não é importante para se dedicar a algo que vai te trazer momentos de prazer. Inclua o planejamento na sua vida para estruturar o seu dia a dia. Comece com pequenas mudanças, mas que farão a diferença. Você vai ver que aos poucos você vai retomar o controle do seu tempo para viver a vida que sempre sonhou.

Você também pode ser dona do seu tempo!

Espero que esse artigo tenha sido útil para você. Se você gostou, compartilhe com as suas amigas e deixe o seu comentário.

Anúncios

Será que sobra tempo para fazer o que é importante pra nós?

Sabe quando a gente está fazendo alguma coisa e, de repente, olha pro relógio e percebe que o tempo voou? Pois é, isso sempre acontece comigo. Eu realmente tenho uma agenda cheia e algumas amigas me perguntam: “Como você consegue trabalhar, cuidar das crianças, fazer exercício e ainda ter tempo para escrever um blog?”. Numa dessas ocasiões, uma grande amiga fez uma sugestão: Rafa, você tem que escrever no seu blog e ensinar pra gente como você consegue ter tempo pra tudo!

Então eu aceitei o desafio e comecei a pensar a respeito das coisas que eu faço, como eu faço e como isso pode ajudar outras pessoas.

Confesso que nem sempre é simples dar conta de tudo e as vezes algumas coisas saem prejudicadas, por isso, o mais importante é começar pensando no que é mais importante pra você.

Parece fácil né? Mas não é.

Estabeleça Prioridades

Estabelecer as prioridades parece uma coisa simples, mas normalmente não paramos pra pensar nas coisas e vamos simplesmente vivendo o dia a dia e resolvendo o que é mais urgente, tipo: pagar a conta que vence amanhã ou levar o carro pro conserto.

Há bastante tempo eu fiz uma aula sobre gerenciamento do tempo e o instrutor começou mostrando um gráfico com 4 quadrantes classificando as atividades em urgente, não urgente, importante e não importante. Então fica assim:

  • Quadrante 1 – urgente e importante
  • Quadrante 2 – não urgente e importante
  • Quadrante 3 – urgente e não importante
  • Quadrante 4 – não urgente e não importante

Como eu sou engenheira já adorei o gráfico e logo pensei: “saquei! Temos que priorizar o que é urgente e importante!” Mas, durante o decorrer da aula me surpreendi com uma constatação mais profunda: na verdade precisamos trabalhar nas coisas importantes e não urgentes mas, as vezes nem sabemos quais são elas!

Trabalhar no quadrante 1 é extremamente estressante e consome a nossa energia vital, porém, essa é a forma mais natural de agirmos e é daí que vem o nosso sentimento de frustração quando constatamos que não sobrou tempo para fazer algo importante para nós. Quando não pensamos nas prioridades simplesmente vamos vivendo e resolvendo os assuntos urgentes e deixando as coisas importantes pra depois.

O mundo corporativo valoriza as pessoas que trabalham no quadrante 1, pois são pessoas com ação alta, que aguentam pressão e, são consideradas verdadeiros heróis quando conseguem resolver o problema. É o famoso “bombeiro” que vive apagando incêndio. No entanto, essa pessoa se torna tão indispensável para desempenhar esse papel dentro da empresa que ela acaba não tendo muitas oportunidades de crescimento, pois estão muito ocupadas resolvendo as coisas urgentes.

Mas como trabalhar no quadrante 2 com tantos incêndios à nossa volta? A primeira coisa é se livrando das coisas não importantes, mas que nos consome um tempo precioso sem que a gente se dê conta!

Resumindo: para organizar o seu tempo você precisa começar se livrando das coisas não importantes e não urgentes para ter tempo de atacar as coisas urgentes e importantes, delegar as coisas urgentes e não importantes e investir nas coisas importantes (inclusive para que não se tornem urgentes).

Colocando em Prática

Mas você deve estar se perguntando, como começar?

Em primeiro lugar pense nas coisas que você precisa fazer, nas coisas que você quer fazer e nas coisas que você faz (mesmo sem querer!).

Identifique aquelas que estão no quadrante 4 e que representam perda de tempo como por exemplo: tempo gasto no celular com redes sociais se inteirando sobre a vida dos outros, revistas de fofoca, conversas longas ao telefone. Aqui vão algumas dicas para eliminar ou minimizar essas atividades:

  • Rompa correntes sem culpa: fique tranquila! Nada acontecerá se você não passar pra frente uma mensagem no Whats App. Você não perde tempo repassando e poupa os seus amigos da mesma tarefa.
  • Não compre revistas de fofoca: você não será alienada se não estiver inteirada da vida do galã da novela. Além de você economizar uma grana, você não vai ficar sem ter o que fazer quando for ao médico e pegar uma Caras para ler do ano anterior na sala de espera. O casamento do ano passado será novidade pra você, mesmo que o noivo famoso já tenha se separado ; )
  • Conversas longas ao telefone: se você é do tipo que adora falar ao telefone, eu te entendo, pois eu também gosto! Minha sugestão é que você faça isso enquanto estiver executando uma outra tarefa (de preferência chata), como por exemplo, varrendo a casa ou cozinhando. Além de conversar com quem você gosta, isso vai tornar a tarefa mais prazerosa.

Agora que você eliminou o que significa perda de tempo, você precisa identificar as coisas que estão no quadrante 1, ou seja, são urgentes e importantes. Dessas você não tem como escapar, então mãos à obra. Se são muitas tarefas, faça uma lista e comece pelas mais fáceis e com prazo mais curto. Ver a lista de itens diminuir rápido faz com que você tenha motivação para atacar as mais difíceis.

Uma vez organizadas a tarefas urgentes e importantes, você precisa identificar as tarefas urgentes e não importantes. Se elas não são importantes elas podem ser delegadas ou até mesmo ignoradas (Adoro!).

  1. Minimize as interrupções: se não nos policiarmos somos interrompidos a todo momento por mensagens e telefonemas ou conversas desnecessárias. Quando somos interrompidos a gente perde o foco no que está fazendo e demora algum tempo para reativar as conexões cerebrais que estávamos utilizando (as vezes até esquecemos o que estávamos fazendo). Ficar olhando mensagens inúteis de bom dia e piadas no celular são uma grande causa de distração e perda de tempo. Mas como fazer se não tem como saber se a mensagem é inútil até que você a leia? Uma boa dica é desligar o alerta de mensagens e checá-las quando você for fazer uma pausa para beber uma água ou ir ao banheiro. Combine com seus familiares e amigos que em caso de urgência eles devem ligar.
  2. Seja mais seletiva: você já se pegou frustrada no domingo porque o seu fim de semana foi cheio mas não fez nada do que você queria? Teve um fim de semana que fui a 2 festas de criança dos amiguinhos da escola, ao teatro infantil e ao Mc Donalds, quando na verdade adoraria ter encontrado com os amigos para comer gostoso, bater papo, e dar uma caminhada no parque, mas não deu tempo. Aliás, não deu tempo nem de curtir os meus filhos porque eles ficaram jogando vídeo game nas festas e chegaram cansados e irritados. Antes de aceitar todos os convites para os eventos sociais, pense o quanto a sua família vai aproveitar neste evento. As vezes programas simples como tomar picolé, fazer pique nique ou um passeio a ar livre podem trazer momentos muito mais prazerosos. Cultivar as suas amizades é tão importante quanto cultivar as amizades do seu filho, então combine programas com os seus amigos também.
  3. Aceite ajuda: você está sempre correndo contra o tempo e fica igual a um pingue pongue se dividindo entre as várias tarefas diárias? Então você é igual a mim! Pense em tarefas que você possa delegar para que elas deixem de depender de você. Será que o seu marido pode levar o filho pra escola? Será que a sua vizinha pode trazer a sua filha quando ela for buscar a dela no ballet? A escola oferece transporte? Alguém pode passear com o cachorro pra você? Dá pra fazer as compras pela internet? Será que você consegue um estagiário para fazer aquela tarefa repetitiva no trabalho? Enfim, pense em alternativas que possam te ajudar a ter mais tempo para as coisas importantes.
  4. Coloque tudo em débito automático: não tem sentido perder tempo se preocupando com pagamento de contas que vencem em datas diferentes. Além de evitar as multas, você com certeza tem coisas mais importantes com que se preocupar.

Agora que você já se organizou, está na hora de investir nas coisas que são importantes pra você. As vezes a gente se perde na correria e nem para pra pensar nos nossos sonhos. Você já se perguntou o que gostaria de fazer se tivesse mais tempo livre? Aqui entram os seus projetos e o que realmente importa pra você: passar mais tempo com a sua família, fazer faculdade, aprender uma língua, fazer um esporte, tocar um instrumento, morar fora…. Faça a sua “wish list”. Nessa hora vale tudo mas, não desanime se chegar a conclusão que um desejo é muito difícil porque você não tem tempo, não tem dinheiro, não, não…. A gente sempre tem mil desculpas pra não correr atrás dos nossos sonhos!

Em geral, desejos de longo prazo dependem de outras coisas, então pense como um desejo pode ajudar a conquistar outro desejo. Por exemplo: quero fazer uma faculdade nos USA. Mas eu não sei inglês e não tenho dinheiro. Inclua na sua lista, aprender inglês e conseguir pagar a faculdade. Pense nas alternativas: para aprender inglês você pode fazer um curso convencional, um curso online, um intercambio ou de repente ser “au pair” em outro país. Para conseguir pagar seus estudos você pode: pedir para o seu pai (se ele tiver $), conseguir uma bolsa de estudos via “ciência sem fronteiras” ou outro programa do gênero, conseguir uma bolsa de estudos graças ao seu talento para jogar tênis, trabalhar como babá cuidando de crianças no seu prédio, ou de repente ser “au pair” e ganhar uma graninha enquanto aprende outra língua.

Organize os desejos de forma que um desejo de curto prazo se ligue a um de longo prazo e decida qual a melhor alternativa pra você sair da inércia. O importante é se mover em direção ao seu sonho, pois isso te dará força para acertar o caminho.

Atuar no quadrante 2 é ter respeito por si mesmo. É não deixar que a vida passe sem que você tenha se dado conta. Você já se perguntou o que você gostaria de estar fazendo daqui à cinco ou dez anos? Não? Então é hora de parar de apagar os incêndios, priorizar os seus sonhos e correr atrás do que é importante pra você.

Mas não se assuste se o caminho parecer muito difícil, trace rotas menores até que ele parece mais fácil. Tudo vale a pena se for para realizar o seu sonho!

A beleza da vida está na nossa capacidade de superação. Na capacidade que temos de lidar com os desafios, com os nossos medos e, fazer disso, oportunidades de crescimento pessoal.

No post “Dicas para organizar a sua agenda” você vai encontrar dicas práticas para organizar o seu dia a dia. Se gostou desse post e acha que ele pode ser útil pra você, deixe o seu comentário e compartilhe. A sua opinião é muito importante para mim!

O Que Você Precisa Fazer para Morar França

Agora que já conversamos sobre as providências essenciais para a sua viagem e sobre as coisas que você precisa organizar no Brasil, vou dar algumas dicas sobre o que vai precisar fazer quando chegar na França.

Se tiver a oportunidade de visitar a cidade onde irá morar antes de se mudar de “mala e cuia”, melhor. Se não, não se preocupe! Uma vez lá as coisas acabam se resolvendo da melhor forma possível.

Para te ajudar a entender como funcionam as coisas na França, selecionei alguns tópicos importantes como: moradia, escola, banco e seguros. Espero que você goste!

Moradia: decidir alugar um imóvel não é tarefa fácil nem no nosso país de origem, imagine em outro país e em outra língua! Separei esse assunto em 2 tópicos: onde morar e como alugar um imóvel.

  • Onde morar: essa é uma decisão difícil, pois envolve muitas variáveis. Comece estudando o mapa da cidade e se familiarize. Localize onde é o centro, onde irá trabalhar ou estudar e as estações de metrô, trem, tram e ônibus. Em geral o centre ville é mais bem servido de transportes, por outro lado é mais caro, barulhento e difícil de conseguir imóveis com garagem. Se você está viajando com sua família, aconselho um bairro nas proximidades do centro e que seja servido por uma estação de metrô. Como adoro atividades ao ar livre, gosto de avaliar também a proximidade de parques levar as crianças.
  • Como Alugar: os Franceses adoram comprar e vender tudo no Leboncoin e para alugar um apartamento não é diferente. Faça algumas pesquisas no site para ter uma noção de preço x localização. Eles não são muito bons em se comunicar por e-mails, mas respondem bem ao telefone ou usando SMS. Se o seu francês não é muito afiado, prefira as mensagens e use um tradutor para te ajudar a escrever. Essa é uma boa forma de aprimorar a língua, além de ter mais sucesso nas suas negociações, mesmo que no fim você acabe recorrendo ao inglês. Se você pretende ficar um período inferior a dois anos, sugiro alugar um apartamento mobiliado. Em geral os apartamentos mobiliados são alugados com as contas de água, luz, TV à cabo, internet e telefone incluídos (incluindo ligações ilimitadas para fixos no Brasil). Isso vai te poupar bastante tempo (para montar um apartamento) além de ser mais fácil na hora de voltar. Afinal, a menos que você tenha direito à uma mudança paga pela empresa, na volta você terá que se virar com algumas poucas malas por pessoa!

Banco: independentemente onde você vai receber o seu dinheiro, sem dúvida você vai precisar abrir uma conta num banco francês para ter um RIB (Relevé d’Identité Bancaire) que funciona como uma identidade bancária. Diferentemente do Brasil, na França eles não usam cartão de crédito. Quando pedi ao meu banco BNP Paribas um cartão de crédito, a atendente me olhou com estranheza e perguntou porque eu precisava de um. Para te darem um cartão de crédito você precisa pegar um empréstimo no banco, então o melhor é levar o seu cartão de crédito do Brasil para qualquer eventualidade. Eles usam a Carte Bancaire (CB) que é um cartão de débito e muitos lugares aceitam somente esse cartão, como pedágios por exemplo. Se você quiser mudar a data da fatura do CB é só pedir no banco um carte bancaire à débit différé, que ele vai funcionar como se fosse um cartão de crédito no Brasil.

Celular: assim que abrir a sua conta no banco contrate um plano de celular. Com certeza você vai pagar bem mais barato que no Brasil e terá um serviço de ótima qualidade. Um smart phone é essencial para você resolver as suas coisas mesmo quando está fora de casa. Algumas lojas podem exigir que você leve o carimbo do OFI, que demora cerca de 6 meses pra você conseguir. Se for esse o caso, simplesmente mude de loja ou até mesmo de operadora até que eles aceitem a documentação que você tem.

Escola: nas grandes cidades você vai encontrar escolas bilíngues mas, em geral, as crianças francesas estudam em escolas públicas. Portanto, se a sua intenção é imergir na cultura francesa, essa é a melhor alternativa. Quando chegar procure a Mairie para inscrever o seu filho na prefeitura e eles vão alocar uma vaga pra ele na escola mais próxima do seu endereço. Uma vez inscrito, a próxima etapa é fazer a matrícula na escola selecionada. Se você quiser saber mais sobre o funcionamento das escolas na França, clique aqui para ler mais sobre esse assunto.

Seguros: você vai precisar de um seguro de saúde, um seguro de habitação e um seguro escolar. Se opcionar por comprar um carro, você também terá que contratar um seguro (assurance auto).

  • Assurance Santé: O sistema de saúde da França pública da França se chama Assurance Maladie é “cotizado”, ou seja, paga-se proporcionalmente ao salário. Se você tem um bom salário, essa não será uma boa opção (muito caro) e o melhor mesmo será contratar um seguro saúde ou um seguro viagem por todo o período. Peça ajuda à sua escola ou ao lugar que você vai trabalhar para entender quais são suas opções, pois elas variam bastante com a idade e a cobertura desejada.
  • Assurance Habitation: o seguro de habitação é obrigatório e pode ser feito em seguradoras como Allianz, ou em conjunto com o seguro escolar.
  • Assurance Scolaire: para seus filhos frequentarem a escola eles vão precisar de um seguro específico. Uma das maiores seguradoras da França para esse tipo de seguro é a La Mae. A escola oferece vários passeios para as crianças mas elas somente podem ir se tiverem um seguro escolar que cubra responsabilidade civil e individual corporal. Esse seguro é bem barato e você pode escolher a cobertura básica para atividades escolares ou a completa que cobre acidentes nas férias também.
  • Assurance auto: O seguro do carro funciona de forma similar ao brasileiro e tem descontos progressivos. Dessa forma, peça à sua seguradora no Brasil uma carta comprovando o tempo que você está segurado sem sinistros e isso vai te ajudar a conseguir uma tarifa melhor. Tem sites na internet que comparam várias empresas e te informam onde o seu seguro ficará mais barato (por exemplo Assurland).

É, realmente é muita coisa e os primeiros 15 dias com certeza serão intensos, cheios de dúvidas e inseguranças. Mas não desanime, tudo vai valer a pena! E o lado bom é que você só vai ter que pensar nessas coisas novamente na hora de voltar.

Inspire fundo, arregace as mangas e vá em frente. No fim do arco-íris tem um pote de ouro esperando por você, e com certeza, as dificuldades farão parte da bagagem que vai trazer de volta, junto com os momentos inesquecíveis que você e a sua família irão viver. Aproveite e tenha sempre a certeza de se fizer a sua parte, tudo vai dar certo.

Bonne chance et à bientôt!

Se você gostou deste post deixe seu comentário e compartilhe!

Como se Preparar para Morar Fora do País

No meu post 6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França levando sua Família eu falei sobre como é necessário focar nas providências essenciais para viabilizar a sua viagem. Mas é claro que tem mais um montão de coisas pra fazer antes de viajar.

Então, vamos lá! Lembra aquela lista que você fez? Agora vamos atacar os itens classificados como providências no Brasil, ou seja, todas as coisas que você precisa fazer para deixar a sua vida organizada e sua viagem correr o mais tranquila possível.

Pense no que você pretende fazer com as suas coisas no Brasil que te geram gastos mensais ou que podem te gerar alguma renda enquanto estiver fora: carro, casa, vaga de garagem, título de clube, contas de telefone, luz, etc. Se livre do maior número de despesas possível e aproveite as oportunidades para ter alguma renda enquanto tiver fora.

  • Residência: se você mora de aluguel, vai precisar cancelar o seu contrato e dar um fim para os seus pertences. Guarde o que for essencial na casa de algum parente ou amigo e use essa oportunidade para se desfazer do restante. Se tiver muitas coisas das quais não pretende se desfazer, provavelmente vai precisar alugar um box para guardá-las. Se tem residência própria, você pode fechar, alugar ou vender. Tenha em mente que, mesmo que decida fechar o seu apartamento, alugar a sua garagem pode te render alguma coisa. Sua decisão deve levar em conta o tempo que vai ficar fora e a sua perspectiva de voltar a morar na mesma cidade quando voltar. De qualquer forma, muito provavelmente você não vai conseguir alugar ou vender antes da sua partida, então, o melhor é fazer contato com uma imobiliária para que ela possa te ajudar nesta atividade.
  • Carro: vender o carro poder ser uma boa ideia para juntar uma graninha extra pra viagem. Por outro lado, ficar à pé no Brasil antes de ir, pode ser extremamente inconveniente. Se decidir por manter o carro enquanto estiver fora, peça para um amigo ou parente ligar o carro pra você de vez em quando.
  • Escola: informe a escola das crianças sobre a viagem e peça alguma documentação que comprove que seu filho estava matriculado (como um histórico escolar por exemplo). Uma coisa que pode ser legal é organizar na escola uma festa de despedida para o seu filho. Além de ser um momento bom para ele lembrar, pode ajudá-lo a realizar que a viagem está chegando.
  • TV, telefone e internet: se livre do maior número de contas possível, mas você vai precisar desses serviços até as vésperas da viagem. Se informe sobre os procedimentos para cancelamento com antecedência, mas se algo der errado, são coisas que você pode fazer quando estiver lá.
  • Luz e gás: em geral esses serviços cobram uma taxa de reativação e dependendo do tempo que você ficar fora, pode ser interessante continuar pagando as tarifas mínimas e não ter esse abacaxi quando voltar.
  • Banco: informe aos seus cartões de crédito que você está saindo do país. Esse aviso de viagem tem que ser feito a cada 3 meses, para evitar que você fique sem acesso à eles. Informe à sua gerente que você está indo morar fora e peça informações sobre como fazer operações de câmbio. Cada banco trabalha de um jeito diferente e cobra tarifas diferentes para esse serviço, então vale a pena pesquisar as alternativas para tentar pagar menos taxas e impostos nessas transações financeiras.
  • Imposto de renda: você tem a opção de continuar declarando imposto de renda no Brasil ou fazer uma declaração de saída definitiva do país. Entre no site da Receita e se informe para saber qual a melhor opção para você.
  • Lidando com imprevistos: providencie uma procuração para uma pessoa de confiança para que ela possa tomar algumas providências na sua ausência, caso seja necessário.

Espero que esse post tenha te ajudado a pensar nas providências que você precisa tomar de forma organizada e estruturada. Se não der tempo de fazer isso tudo, não se preocupe! Hoje em dia é possível resolver muita coisa pela internet e pelo telefone e você poderá fazê-las quando chegar lá. Então, inspire fundo e mãos à obra!

Se você gostou desse post, compartilhe e deixe seus comentários.

Providências Essenciais para Viajar para uma Temporada na França

No meu post 6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França levando sua Família eu falei sobre como é necessário focar nas providências essenciais para viabilizar a sua viagem e chamei essas providências de itens “no go”.

Os itens “no go” são aqueles sem os quais você não conseguirá embarcar. Em geral são os documentos relativos à sua escola ou trabalho, passaporte, passagem aérea e seguro viagem para você e sua família.

  • Passaporte e visto: brasileiros podem entrar na União Europeia como turistas apenas com passaporte, sem necessidade de visto. Como você não quer ter problemas com a imigração, verifique se a validade do seu passaporte tem mais de 6 meses após a data da sua volta. Para permanência superior a 3 meses (90 dias), a França exige um visto de longa duração ou “visa de long sejour”. O visto pode ser solicitado na Embaixada da França em Brasília ou no Consulado da França em São Paulo ou no Rio de Janeiro. Há diferentes categorias de visto e se você é estudante, você precisará se submeter ao procedimento pré-consular Campus France antes do pedido do visto. Esse procedimento é bem burocrático e pode demorar cerca de 3 meses, portanto, é preciso dar entrada na papelada o quanto antes.Passagem Aérea: para comprar um bilhete aéreo internacional geralmente é necessário que se tenha o número do passaporte. Os bilhetes aéreos têm validade de no máximo um ano. Caso a sua estadia na França tenha um período superior a um ano, você tem 2 alternativas: comprar um bilhete somente de ida, que geralmente é mais caro, ou comprar um bilhete de ida e volta e desprezar a volta. Mas lembre-se, você somente pode desprezar um bilhete na volta, pois é a ida que habilita a volta.
  • Seguro viagem: você vai aprender que os franceses fazem seguro pra tudo! Seguro saúde, seguro do imóvel, seguro escolar, seguro do carro e vão te oferecer um seguro para tudo o que você comprar como: passagem de trem, equipamentos eletrônicos, aluguel de carro, etc. Garanta a contratação dos obrigatórios, mas não se preocupe com isso agora, você terá tempo para aprender como contratar esses seguros quando chegar lá, para viajar você precisa apenas de um seguro viagem. Para entrar na União Europeia, o Tratado de Shengen exige que os estrangeiros tenham um seguro viagem com cobertura mínima de € 30.000, para auxílio médico em caso de doença ou acidente durante sua viagem. Contrate um seguro viagem de 30 dias para garantir a sua entrada (e de quebra vem com seguro de bagagens também, caso você tenha algum problema!) e depois você pensa no resto.
  • Hospedagem: os franceses utilizam o site leboncoin para comprar tudo e lá você pode tentar alugar algum apartamento antes de ir, mas não é uma tarefa muito fácil! Para facilitar a vida, tente reservar um hotel ou alugar um apartamento mobiliado (que com criança é bem melhor e você pode fazer pelo airbnb por exemplo) por uns quinze dias. Assim você terá um tempo para conseguir um endereço definitivo quando chegar lá.
  • Outros documentos: provavelmente você vai precisar de documentos originais quando estiver lá, então, faça uma pastinha com os documentos de toda a sua família e leve com você. Leve tudo: certidão de nascimento, certidão de casamento, declaração de imposto de renda dos dois últimos anos, comprovante de residência no Brasil, contra cheques, se você tem emprego no Brasil, declaração da empresa, carteira de motorista brasileira e internacional, carteira de vacinação das crianças, enfim, tudo que você tiver em mãos. Muito provavelmente você vai precisar desses documentos para fazer um contrato de aluguel e também para dar entrada na Caf – Caisse Nationale des Allocations Familiales. Para conseguir pagar a escola das crianças você tem que se inscrever na Caf e para isso você vai precisar de traduções juramentadas de todas as certidões de nascimento, inclusive a sua e do seu marido. Se algum documento ficou pra trás, não se estresse! Com as facilidades tecnológicas e um pouquinho de criatividade e jogo de cintura você acaba conseguindo alguma coisa que faltar, mesmo à distância.

Com isso você tem em mãos tudo o que precisa para viajar. Agora é só fazer as malas, inspirar fundo e embarcar! Bon voyage et au revoir!

Espero ter te ajudado compartilhando um pouquinho da minha experiência! Se você gostou deste post ou tem alguma sugestão, deixe aqui seus comentários!

6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França Levando sua Família

 

Durante aquela viagem de férias para o exterior, passeando pelas ruas de um lugar totalmente novo, você de repente se pega pensando: como seria morar neste lugar? E dá um friozinho na barriga só de imaginar como seria uma vida totalmente nova… e você se pergunta, e se surgisse a oportunidade de estudar ou trabalhar no exterior? Será que eu iria?

Pois é, um belo dia o meu chefe me chamou e disse: você foi selecionada para fazer um mestrado na França, você quer ir? E completou: selecionamos duas pessoas do nosso time e só uma vai. Eu preciso saber se você quer realmente ir senão vou dar a vaga para a outra pessoa.” Aí o coração bateu forte e deu aquele nó na garganta…. e respondi: “claro, eu quero sim!”.

E, voilà! Foi assim que embarcamos no que veio a ser a maior aventura das nossas vidas. Cheios de expectativas, medos e sonhos, eu, meu marido e os meus dois filhos, fizemos as malas e fomos desbravar a França e tudo o que ela tinha para nos oferecer!

Depois de tomada a decisão de morar fora, a cabeça fica a mil pensando no que temos que fazer. Comprar passagens, tirar passaporte, vender o carro, cancelar a TV a cabo, alugar apartamento, conseguir escola para as crianças, enfim, uma lista interminável! Ai meu Deus, por onde começar? Aí vem a ansiedade e a sensação de que não vai dar tempo, de que não vamos conseguir.

Para te inspirar a embarcar na sua viagem dos sonhos, preparei este post compartilhando as coisas que eu vivi e aprendi com essa experiência. Aqui vão 6 dicas para você organizar a sua viagem e aprender a lidar com a sua ansiedade e com a dos seus familiares e amigos. Sim, porque não é só você que vai ser afetado com a sua partida e cada um vai reagir à notícia de uma forma diferente. Mas, o mais importante é: não entre em pânico, tudo vai dar certo!

  1. Seja firme: ouça com carinho a opinião das pessoas mais próximas e aproveite as ajudas que elas te oferecerem. Talvez você tenha que enfrentar algumas situações como uma mãe que não suporta a possibilidade de morar longe de você, um irmão que sente inveja, mesmo que ele tenha ficado feliz pela sua conquista, um filho que diz que não quer ir ou até um cônjuge que não aceita muito a situação. Tente mostrar como aquela experiência pode ser boa pra vocês, mas tenha em mente o seu objetivo e não se deixe influenciar negativamente.
  1. Faça uma lista: como são muitas providências a tomar, liste todas as coisas que te vierem à cabeça, mesmo as menos importantes. Isso vai fazer com que a sua ansiedade diminua, pois não vai precisar confiar somente na sua memória e poderá dormir mais tranquilo.
  1. Foque no essencial: seja prático e realista: não vai dar tempo de executar tudo o que você gostaria, então classifique os itens separando o que precisa fazer para viabilizar a viagem, ou seja os itens “no go”, o que você precisa fazer no Brasil antes de ir e o que você só vai conseguir fazer quando chegar lá.
  1. Providências essenciais: os itens “no go” são aqueles que vão viabilizar a sua viagem e sem os quais você não conseguirá embarcar. Em geral são os documentos relativos à sua escola ou trabalho, passaporte, passagem aérea e seguro viagem para toda a família. Quando finalmente embarcar é como se passasse num “portal estelar”, onde o Brasil fica pra trás e várias portas se abrem no seu destino. Então confie e foque no essencial! Para saber mais sobre o que você precisa fazer para viabilizar a sua viagem, leia o meu post Providências Essenciais para Viajar para uma Temporada na França.
  1. Providências no Brasil: pense no que pretende fazer com as suas coisas no Brasil que geram gastos mensais ou que podem gerar alguma renda enquanto estiver fora: carro, casa, vaga de garagem, título de clube, contas de telefone, luz, etc. Se livre do maior número de despesas possível e providencie uma procuração para uma pessoa de confiança para ela poder tomar algumas providências na sua ausência, caso seja necessário. Para saber mais sobre as providências no Brasil, leia o meu post Como se preparar para morar fora.
  1. Providências na França: ficamos muito ansiosos com a viagem e com as pessoas nos perguntando: já está tudo pronto? Já sabe onde vão morar? Onde as crianças vão estudar? Tenha em mente que você não vai conseguir resolver as coisas na França à distância! Tudo lá é burocrático e deve ser feito presencialmente. Para um simples contrato de aluguel eles vão te exigir uma porção de documentos e “investigar” sobre a sua vida para saber se é uma pessoa idônea. Se informe na internet o máximo que conseguir mas fique tranquilo se não conseguir fazer nada daqui. Foque nos itens “no go” e nos itens que você tem condição de resolver aqui. Quando chegar lá, abra logo uma conta no banco e contrate um plano de celular para poder se comunicar. Depois, defina a sua moradia, a escola para as crianças e por último contrate os seguros obrigatórios de saúde, do apartamento e o seguro escolar. Para saber mais sobre as providências na França, leia o meu post O que você precisa fazer para morar na França.

É, realmente é muita coisa! Mas não desanime, tudo vai valer a pena! Inspire fundo, arregace as mangas e vá em frente.

Se gostou deste post ou tem alguma sugestão, compartilhe e deixe seu comentário!

Mudança, Força de Vontade e Autocontrole

Quando fazemos uma dieta para emagrecer e conquistar aquela forma física tão desejada, precisamos de uma boa dose de autocontrole e força de vontade para mudarmos nossos hábitos. Se não, como resistir àquele docinho depois do almoço?

Para entender melhor o que significa ter autocontrole, vou utilizar o exemplo dado pelos irmãos Heart, no livro Switch, sobre o comportamento de estudantes do ensino superior durante uma pesquisa de “Percepção do alimento”.

Os estudantes foram orientados a não comer por 3 horas antes do teste. Com um pouco de fome, eles se dirigiram para uma sala que estava com um cheirinho maravilhoso de biscoitos de chocolate saídos do forno. Na sala havia uma mesa com 2 pratos: um com os biscoitos quentinhos e chocolates, e outro com pedacinhos de rabanete.

Os pesquisadores explicaram que tinham escolhido biscoitos de chocolate e rabanetes por conterem sabores bem diferentes e que no dia seguinte eles seriam perguntados sobre sua memória do gosto e sensação que tiveram durante a degustação. Metade dos participantes foi orientada a provar 2 ou 3 chocolates, e a outra metade deveria comer 2 ou 3 rabanetes. Enquanto eles comiam, os pesquisadores saíram da sala para induzir os comedores de rabanetes a provar escondido os chocolates. Todos os participantes respeitaram a orientação e nenhum dos comedores de rabanetes caiu em tentação. Isso é a força de vontade em ação!

Depois que o “estudo sobre o gosto” havia terminado, outro grupo de pesquisadores começou a fazer um segundo estudo, supostamente não-relacionado. Estavam interessados em descobrir quem era melhor para resolver problemas, estudantes do ensino médio ou estudantes do ensino superior.

Dessa forma, os estudantes do ensino superior receberam uma série de exercícios complexos que exigiam que eles traçassem formas geométricas sem tirar o lápis do papel ou repassar o lápis em cima de qualquer linha já traçada. Na realidade os exercícios foram elaborados para serem insolúveis e os pesquisadores estavam interessados em ver o quanto os estudantes iriam persistir diante da difícil e frustrante tarefa, antes de finalmente desistirem.

Os estudantes “não tentados”, ou seja, que não tiveram que resistir à tentação de comer os deliciosos biscoitos de chocolate, levaram 19 minutos para executar a tarefa, fazendo 34 tentativas para resolver o problema. Entretanto, os comedores de rabanetes foram menos persistentes. Eles desistiram em apenas 8 minutos (menos da metade do tempo gasto pelos comedores de biscoitos) e fizeram apenas 19 tentativas de resolver o exercício. Porque eles desistiram tão fácil?

A resposta é surpreendente: eles esgotaram seu autocontrole. Em estudos como esse, psicólogos descobriram que autocontrole é um recurso esgotável. É como fazer levantamento de peso, o primeiro é fácil, quando seus músculos estão descansados. Mas com a repetição, seus músculos ficam exaustos até que você não consegue mais levantar o peso novamente. Os comedores de rabanetes drenaram o seu autocontrole resistindo à tentação de comer os biscoitos de chocolate e não tiveram força suficiente para tentar mais de 8 minutos.

Dezenas de estudos mostram a natureza exaustiva da auto-supervisão. Os comportamentos auto supervisionados, que exigem que utilizemos a razão, ou os circuitos do cérebro “top-down”, demandam esforço, raciocínio e são altamente cansativos. A sorte é que grande parte de nossas tarefas diárias ocorrem de maneira automática.

Quando dirigimos, por exemplo, fazemos tudo de forma automática e utilizamos os chamados circuitos “bottom-up” do nosso cérebro. Agora, se formos para a Inglaterra por exemplo e alugarmos um carro com direção do lado direito, num primeiro momento teremos que dirigir prestando atenção a cada movimento, acionando os circuitos “top-down”.

E o que isso tem a ver com a mudança? Quando as pessoas tentam mudar as coisas, geralmente elas estão mexendo com comportamentos que se tornaram automáticos e mudar esses comportamentos requer auto-supervisão e força de vontade. Elas precisam parar de utilizar os circuitos “bottom-up” do cérebro e passar a pensar como fazer da nova forma, utilizando os circuitos “top-down”.

Portanto, quando ouvimos dizer que mudar é difícil porque as pessoas são preguiçosas ou resistentes, isso não é verdade. De fato, o que ocorre, é que a mudança é difícil porque ela esgota as pessoas! “O que pode parecer preguiça, normalmente é exaustão”.

Então, antes de desistir de seus sonhos porque acha que não é capaz de mudar, se dê uma chance. Inspire fundo e pense de forma criativa, o que você pode fazer para tornar a mudança mais fácil?

O Medo da Mudança

O que você está fazendo da sua vida? Você está insatisfeito com o seu trabalho, com o seu relacionamento ou com a política do seu país? Acho que neste momento 100% dos brasileiros está insatisfeito com a política! Mas porque você não faz nada para mudar o que está te incomodando?

Somos ótimos em arrumar desculpas para não fazermos as coisas, pois afinal de contas o ser humano não gosta de mudanças. Quem não fica irritado quando uma nova versão de um software reorganiza os ícones que já estávamos tão acostumados! Mudanças trazem desconforto, mas muitas vezes é o desconforto que nos impele a mudar.

É muito comum termos medo do desconhecido e talvez por essa razão as mudanças sejam tão difíceis e venham acompanhadas de uma boa dose de ansiedade. Na verdade, mudar algo que já fazemos de uma determinada forma conhecida, implica em reconstruir algo que já se tornou um hábito. Mudar de cidade ou de país, significa sairmos da nossa zona de conforto e abrimos mão da segurança do nosso lar, do nosso bairro, da nossa cultura e muitas vezes, da proximidade dos amigos e da família.

Mas a mudança também abre portas para novas descobertas e novas oportunidades. Podemos ficar paralisados pelo medo ou enfrentá-lo e enxergar o lado bom das mudanças. A terapia cognitiva diz que focar em experiências negativas é receita certa para depressão. Temos que focar no lado positivo.

Segundo Richard Boytzis, um psicologista da Weatherhead School of Management na Case Western Reserve University, falar positivamente sobre seus objetivos e sonhos ativa centros do cérebro que te abre a novas possibilidades. Mas, conversar sobre o que você deve fazer para se corrigir, te fecha.

Mudanças exigem: motivação, uma boa dose de força de vontade e persistência, mas podem ser altamente gratificantes e realizadoras. Aliás, o mundo não é estático e a única certeza que temos é que a mudança é inevitável.

Podemos ser passivos e nos adaptar às mudanças conforme elas forem acontecendo, ou podemos ser protagonistas da nossa própria estória e sermos os agentes da mudança.

Então, que tal resgatar um pouco do seu sonho e pensar sobre o que você adoraria estar fazendo daqui à 10 anos? Qual o legado que você gostaria de deixar para os seus descendentes?

Espero que esse post tenha te inspirado a mudar. Se você gostou deste post, deixe seu comentário!