Como se Preparar para Morar Fora do País

No meu post 6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França levando sua Família eu falei sobre como é necessário focar nas providências essenciais para viabilizar a sua viagem. Mas é claro que tem mais um montão de coisas pra fazer antes de viajar.

Então, vamos lá! Lembra aquela lista que você fez? Agora vamos atacar os itens classificados como providências no Brasil, ou seja, todas as coisas que você precisa fazer para deixar a sua vida organizada e sua viagem correr o mais tranquila possível.

Pense no que você pretende fazer com as suas coisas no Brasil que te geram gastos mensais ou que podem te gerar alguma renda enquanto estiver fora: carro, casa, vaga de garagem, título de clube, contas de telefone, luz, etc. Se livre do maior número de despesas possível e aproveite as oportunidades para ter alguma renda enquanto tiver fora.

  • Residência: se você mora de aluguel, vai precisar cancelar o seu contrato e dar um fim para os seus pertences. Guarde o que for essencial na casa de algum parente ou amigo e use essa oportunidade para se desfazer do restante. Se tiver muitas coisas das quais não pretende se desfazer, provavelmente vai precisar alugar um box para guardá-las. Se tem residência própria, você pode fechar, alugar ou vender. Tenha em mente que, mesmo que decida fechar o seu apartamento, alugar a sua garagem pode te render alguma coisa. Sua decisão deve levar em conta o tempo que vai ficar fora e a sua perspectiva de voltar a morar na mesma cidade quando voltar. De qualquer forma, muito provavelmente você não vai conseguir alugar ou vender antes da sua partida, então, o melhor é fazer contato com uma imobiliária para que ela possa te ajudar nesta atividade.
  • Carro: vender o carro poder ser uma boa ideia para juntar uma graninha extra pra viagem. Por outro lado, ficar à pé no Brasil antes de ir, pode ser extremamente inconveniente. Se decidir por manter o carro enquanto estiver fora, peça para um amigo ou parente ligar o carro pra você de vez em quando.
  • Escola: informe a escola das crianças sobre a viagem e peça alguma documentação que comprove que seu filho estava matriculado (como um histórico escolar por exemplo). Uma coisa que pode ser legal é organizar na escola uma festa de despedida para o seu filho. Além de ser um momento bom para ele lembrar, pode ajudá-lo a realizar que a viagem está chegando.
  • TV, telefone e internet: se livre do maior número de contas possível, mas você vai precisar desses serviços até as vésperas da viagem. Se informe sobre os procedimentos para cancelamento com antecedência, mas se algo der errado, são coisas que você pode fazer quando estiver lá.
  • Luz e gás: em geral esses serviços cobram uma taxa de reativação e dependendo do tempo que você ficar fora, pode ser interessante continuar pagando as tarifas mínimas e não ter esse abacaxi quando voltar.
  • Banco: informe aos seus cartões de crédito que você está saindo do país. Esse aviso de viagem tem que ser feito a cada 3 meses, para evitar que você fique sem acesso à eles. Informe à sua gerente que você está indo morar fora e peça informações sobre como fazer operações de câmbio. Cada banco trabalha de um jeito diferente e cobra tarifas diferentes para esse serviço, então vale a pena pesquisar as alternativas para tentar pagar menos taxas e impostos nessas transações financeiras.
  • Imposto de renda: você tem a opção de continuar declarando imposto de renda no Brasil ou fazer uma declaração de saída definitiva do país. Entre no site da Receita e se informe para saber qual a melhor opção para você.
  • Lidando com imprevistos: providencie uma procuração para uma pessoa de confiança para que ela possa tomar algumas providências na sua ausência, caso seja necessário.

Espero que esse post tenha te ajudado a pensar nas providências que você precisa tomar de forma organizada e estruturada. Se não der tempo de fazer isso tudo, não se preocupe! Hoje em dia é possível resolver muita coisa pela internet e pelo telefone e você poderá fazê-las quando chegar lá. Então, inspire fundo e mãos à obra!

Se você gostou desse post, compartilhe e deixe seus comentários.

Anúncios

Providências Essenciais para Viajar para uma Temporada na França

No meu post 6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França levando sua Família eu falei sobre como é necessário focar nas providências essenciais para viabilizar a sua viagem e chamei essas providências de itens “no go”.

Os itens “no go” são aqueles sem os quais você não conseguirá embarcar. Em geral são os documentos relativos à sua escola ou trabalho, passaporte, passagem aérea e seguro viagem para você e sua família.

  • Passaporte e visto: brasileiros podem entrar na União Europeia como turistas apenas com passaporte, sem necessidade de visto. Como você não quer ter problemas com a imigração, verifique se a validade do seu passaporte tem mais de 6 meses após a data da sua volta. Para permanência superior a 3 meses (90 dias), a França exige um visto de longa duração ou “visa de long sejour”. O visto pode ser solicitado na Embaixada da França em Brasília ou no Consulado da França em São Paulo ou no Rio de Janeiro. Há diferentes categorias de visto e se você é estudante, você precisará se submeter ao procedimento pré-consular Campus France antes do pedido do visto. Esse procedimento é bem burocrático e pode demorar cerca de 3 meses, portanto, é preciso dar entrada na papelada o quanto antes.Passagem Aérea: para comprar um bilhete aéreo internacional geralmente é necessário que se tenha o número do passaporte. Os bilhetes aéreos têm validade de no máximo um ano. Caso a sua estadia na França tenha um período superior a um ano, você tem 2 alternativas: comprar um bilhete somente de ida, que geralmente é mais caro, ou comprar um bilhete de ida e volta e desprezar a volta. Mas lembre-se, você somente pode desprezar um bilhete na volta, pois é a ida que habilita a volta.
  • Seguro viagem: você vai aprender que os franceses fazem seguro pra tudo! Seguro saúde, seguro do imóvel, seguro escolar, seguro do carro e vão te oferecer um seguro para tudo o que você comprar como: passagem de trem, equipamentos eletrônicos, aluguel de carro, etc. Garanta a contratação dos obrigatórios, mas não se preocupe com isso agora, você terá tempo para aprender como contratar esses seguros quando chegar lá, para viajar você precisa apenas de um seguro viagem. Para entrar na União Europeia, o Tratado de Shengen exige que os estrangeiros tenham um seguro viagem com cobertura mínima de € 30.000, para auxílio médico em caso de doença ou acidente durante sua viagem. Contrate um seguro viagem de 30 dias para garantir a sua entrada (e de quebra vem com seguro de bagagens também, caso você tenha algum problema!) e depois você pensa no resto.
  • Hospedagem: os franceses utilizam o site leboncoin para comprar tudo e lá você pode tentar alugar algum apartamento antes de ir, mas não é uma tarefa muito fácil! Para facilitar a vida, tente reservar um hotel ou alugar um apartamento mobiliado (que com criança é bem melhor e você pode fazer pelo airbnb por exemplo) por uns quinze dias. Assim você terá um tempo para conseguir um endereço definitivo quando chegar lá.
  • Outros documentos: provavelmente você vai precisar de documentos originais quando estiver lá, então, faça uma pastinha com os documentos de toda a sua família e leve com você. Leve tudo: certidão de nascimento, certidão de casamento, declaração de imposto de renda dos dois últimos anos, comprovante de residência no Brasil, contra cheques, se você tem emprego no Brasil, declaração da empresa, carteira de motorista brasileira e internacional, carteira de vacinação das crianças, enfim, tudo que você tiver em mãos. Muito provavelmente você vai precisar desses documentos para fazer um contrato de aluguel e também para dar entrada na Caf – Caisse Nationale des Allocations Familiales. Para conseguir pagar a escola das crianças você tem que se inscrever na Caf e para isso você vai precisar de traduções juramentadas de todas as certidões de nascimento, inclusive a sua e do seu marido. Se algum documento ficou pra trás, não se estresse! Com as facilidades tecnológicas e um pouquinho de criatividade e jogo de cintura você acaba conseguindo alguma coisa que faltar, mesmo à distância.

Com isso você tem em mãos tudo o que precisa para viajar. Agora é só fazer as malas, inspirar fundo e embarcar! Bon voyage et au revoir!

Espero ter te ajudado compartilhando um pouquinho da minha experiência! Se você gostou deste post ou tem alguma sugestão, deixe aqui seus comentários!

6 Dicas para Facilitar a sua Mudança para a França Levando sua Família

 

Durante aquela viagem de férias para o exterior, passeando pelas ruas de um lugar totalmente novo, você de repente se pega pensando: como seria morar neste lugar? E dá um friozinho na barriga só de imaginar como seria uma vida totalmente nova… e você se pergunta, e se surgisse a oportunidade de estudar ou trabalhar no exterior? Será que eu iria?

Pois é, um belo dia o meu chefe me chamou e disse: você foi selecionada para fazer um mestrado na França, você quer ir? E completou: selecionamos duas pessoas do nosso time e só uma vai. Eu preciso saber se você quer realmente ir senão vou dar a vaga para a outra pessoa.” Aí o coração bateu forte e deu aquele nó na garganta…. e respondi: “claro, eu quero sim!”.

E, voilà! Foi assim que embarcamos no que veio a ser a maior aventura das nossas vidas. Cheios de expectativas, medos e sonhos, eu, meu marido e os meus dois filhos, fizemos as malas e fomos desbravar a França e tudo o que ela tinha para nos oferecer!

Depois de tomada a decisão de morar fora, a cabeça fica a mil pensando no que temos que fazer. Comprar passagens, tirar passaporte, vender o carro, cancelar a TV a cabo, alugar apartamento, conseguir escola para as crianças, enfim, uma lista interminável! Ai meu Deus, por onde começar? Aí vem a ansiedade e a sensação de que não vai dar tempo, de que não vamos conseguir.

Para te inspirar a embarcar na sua viagem dos sonhos, preparei este post compartilhando as coisas que eu vivi e aprendi com essa experiência. Aqui vão 6 dicas para você organizar a sua viagem e aprender a lidar com a sua ansiedade e com a dos seus familiares e amigos. Sim, porque não é só você que vai ser afetado com a sua partida e cada um vai reagir à notícia de uma forma diferente. Mas, o mais importante é: não entre em pânico, tudo vai dar certo!

  1. Seja firme: ouça com carinho a opinião das pessoas mais próximas e aproveite as ajudas que elas te oferecerem. Talvez você tenha que enfrentar algumas situações como uma mãe que não suporta a possibilidade de morar longe de você, um irmão que sente inveja, mesmo que ele tenha ficado feliz pela sua conquista, um filho que diz que não quer ir ou até um cônjuge que não aceita muito a situação. Tente mostrar como aquela experiência pode ser boa pra vocês, mas tenha em mente o seu objetivo e não se deixe influenciar negativamente.
  1. Faça uma lista: como são muitas providências a tomar, liste todas as coisas que te vierem à cabeça, mesmo as menos importantes. Isso vai fazer com que a sua ansiedade diminua, pois não vai precisar confiar somente na sua memória e poderá dormir mais tranquilo.
  1. Foque no essencial: seja prático e realista: não vai dar tempo de executar tudo o que você gostaria, então classifique os itens separando o que precisa fazer para viabilizar a viagem, ou seja os itens “no go”, o que você precisa fazer no Brasil antes de ir e o que você só vai conseguir fazer quando chegar lá.
  1. Providências essenciais: os itens “no go” são aqueles que vão viabilizar a sua viagem e sem os quais você não conseguirá embarcar. Em geral são os documentos relativos à sua escola ou trabalho, passaporte, passagem aérea e seguro viagem para toda a família. Quando finalmente embarcar é como se passasse num “portal estelar”, onde o Brasil fica pra trás e várias portas se abrem no seu destino. Então confie e foque no essencial! Para saber mais sobre o que você precisa fazer para viabilizar a sua viagem, leia o meu post Providências Essenciais para Viajar para uma Temporada na França.
  1. Providências no Brasil: pense no que pretende fazer com as suas coisas no Brasil que geram gastos mensais ou que podem gerar alguma renda enquanto estiver fora: carro, casa, vaga de garagem, título de clube, contas de telefone, luz, etc. Se livre do maior número de despesas possível e providencie uma procuração para uma pessoa de confiança para ela poder tomar algumas providências na sua ausência, caso seja necessário. Para saber mais sobre as providências no Brasil, leia o meu post Como se preparar para morar fora.
  1. Providências na França: ficamos muito ansiosos com a viagem e com as pessoas nos perguntando: já está tudo pronto? Já sabe onde vão morar? Onde as crianças vão estudar? Tenha em mente que você não vai conseguir resolver as coisas na França à distância! Tudo lá é burocrático e deve ser feito presencialmente. Para um simples contrato de aluguel eles vão te exigir uma porção de documentos e “investigar” sobre a sua vida para saber se é uma pessoa idônea. Se informe na internet o máximo que conseguir mas fique tranquilo se não conseguir fazer nada daqui. Foque nos itens “no go” e nos itens que você tem condição de resolver aqui. Quando chegar lá, abra logo uma conta no banco e contrate um plano de celular para poder se comunicar. Depois, defina a sua moradia, a escola para as crianças e por último contrate os seguros obrigatórios de saúde, do apartamento e o seguro escolar. Para saber mais sobre as providências na França, leia o meu post O que você precisa fazer para morar na França.

É, realmente é muita coisa! Mas não desanime, tudo vai valer a pena! Inspire fundo, arregace as mangas e vá em frente.

Se gostou deste post ou tem alguma sugestão, compartilhe e deixe seu comentário!

Mudança, Força de Vontade e Autocontrole

Quando fazemos uma dieta para emagrecer e conquistar aquela forma física tão desejada, precisamos de uma boa dose de autocontrole e força de vontade para mudarmos nossos hábitos. Se não, como resistir àquele docinho depois do almoço?

Para entender melhor o que significa ter autocontrole, vou utilizar o exemplo dado pelos irmãos Heart, no livro Switch, sobre o comportamento de estudantes do ensino superior durante uma pesquisa de “Percepção do alimento”.

Os estudantes foram orientados a não comer por 3 horas antes do teste. Com um pouco de fome, eles se dirigiram para uma sala que estava com um cheirinho maravilhoso de biscoitos de chocolate saídos do forno. Na sala havia uma mesa com 2 pratos: um com os biscoitos quentinhos e chocolates, e outro com pedacinhos de rabanete.

Os pesquisadores explicaram que tinham escolhido biscoitos de chocolate e rabanetes por conterem sabores bem diferentes e que no dia seguinte eles seriam perguntados sobre sua memória do gosto e sensação que tiveram durante a degustação. Metade dos participantes foi orientada a provar 2 ou 3 chocolates, e a outra metade deveria comer 2 ou 3 rabanetes. Enquanto eles comiam, os pesquisadores saíram da sala para induzir os comedores de rabanetes a provar escondido os chocolates. Todos os participantes respeitaram a orientação e nenhum dos comedores de rabanetes caiu em tentação. Isso é a força de vontade em ação!

Depois que o “estudo sobre o gosto” havia terminado, outro grupo de pesquisadores começou a fazer um segundo estudo, supostamente não-relacionado. Estavam interessados em descobrir quem era melhor para resolver problemas, estudantes do ensino médio ou estudantes do ensino superior.

Dessa forma, os estudantes do ensino superior receberam uma série de exercícios complexos que exigiam que eles traçassem formas geométricas sem tirar o lápis do papel ou repassar o lápis em cima de qualquer linha já traçada. Na realidade os exercícios foram elaborados para serem insolúveis e os pesquisadores estavam interessados em ver o quanto os estudantes iriam persistir diante da difícil e frustrante tarefa, antes de finalmente desistirem.

Os estudantes “não tentados”, ou seja, que não tiveram que resistir à tentação de comer os deliciosos biscoitos de chocolate, levaram 19 minutos para executar a tarefa, fazendo 34 tentativas para resolver o problema. Entretanto, os comedores de rabanetes foram menos persistentes. Eles desistiram em apenas 8 minutos (menos da metade do tempo gasto pelos comedores de biscoitos) e fizeram apenas 19 tentativas de resolver o exercício. Porque eles desistiram tão fácil?

A resposta é surpreendente: eles esgotaram seu autocontrole. Em estudos como esse, psicólogos descobriram que autocontrole é um recurso esgotável. É como fazer levantamento de peso, o primeiro é fácil, quando seus músculos estão descansados. Mas com a repetição, seus músculos ficam exaustos até que você não consegue mais levantar o peso novamente. Os comedores de rabanetes drenaram o seu autocontrole resistindo à tentação de comer os biscoitos de chocolate e não tiveram força suficiente para tentar mais de 8 minutos.

Dezenas de estudos mostram a natureza exaustiva da auto-supervisão. Os comportamentos auto supervisionados, que exigem que utilizemos a razão, ou os circuitos do cérebro “top-down”, demandam esforço, raciocínio e são altamente cansativos. A sorte é que grande parte de nossas tarefas diárias ocorrem de maneira automática.

Quando dirigimos, por exemplo, fazemos tudo de forma automática e utilizamos os chamados circuitos “bottom-up” do nosso cérebro. Agora, se formos para a Inglaterra por exemplo e alugarmos um carro com direção do lado direito, num primeiro momento teremos que dirigir prestando atenção a cada movimento, acionando os circuitos “top-down”.

E o que isso tem a ver com a mudança? Quando as pessoas tentam mudar as coisas, geralmente elas estão mexendo com comportamentos que se tornaram automáticos e mudar esses comportamentos requer auto-supervisão e força de vontade. Elas precisam parar de utilizar os circuitos “bottom-up” do cérebro e passar a pensar como fazer da nova forma, utilizando os circuitos “top-down”.

Portanto, quando ouvimos dizer que mudar é difícil porque as pessoas são preguiçosas ou resistentes, isso não é verdade. De fato, o que ocorre, é que a mudança é difícil porque ela esgota as pessoas! “O que pode parecer preguiça, normalmente é exaustão”.

Então, antes de desistir de seus sonhos porque acha que não é capaz de mudar, se dê uma chance. Inspire fundo e pense de forma criativa, o que você pode fazer para tornar a mudança mais fácil?

O Medo da Mudança

O que você está fazendo da sua vida? Você está insatisfeito com o seu trabalho, com o seu relacionamento ou com a política do seu país? Acho que neste momento 100% dos brasileiros está insatisfeito com a política! Mas porque você não faz nada para mudar o que está te incomodando?

Somos ótimos em arrumar desculpas para não fazermos as coisas, pois afinal de contas o ser humano não gosta de mudanças. Quem não fica irritado quando uma nova versão de um software reorganiza os ícones que já estávamos tão acostumados! Mudanças trazem desconforto, mas muitas vezes é o desconforto que nos impele a mudar.

É muito comum termos medo do desconhecido e talvez por essa razão as mudanças sejam tão difíceis e venham acompanhadas de uma boa dose de ansiedade. Na verdade, mudar algo que já fazemos de uma determinada forma conhecida, implica em reconstruir algo que já se tornou um hábito. Mudar de cidade ou de país, significa sairmos da nossa zona de conforto e abrimos mão da segurança do nosso lar, do nosso bairro, da nossa cultura e muitas vezes, da proximidade dos amigos e da família.

Mas a mudança também abre portas para novas descobertas e novas oportunidades. Podemos ficar paralisados pelo medo ou enfrentá-lo e enxergar o lado bom das mudanças. A terapia cognitiva diz que focar em experiências negativas é receita certa para depressão. Temos que focar no lado positivo.

Segundo Richard Boytzis, um psicologista da Weatherhead School of Management na Case Western Reserve University, falar positivamente sobre seus objetivos e sonhos ativa centros do cérebro que te abre a novas possibilidades. Mas, conversar sobre o que você deve fazer para se corrigir, te fecha.

Mudanças exigem: motivação, uma boa dose de força de vontade e persistência, mas podem ser altamente gratificantes e realizadoras. Aliás, o mundo não é estático e a única certeza que temos é que a mudança é inevitável.

Podemos ser passivos e nos adaptar às mudanças conforme elas forem acontecendo, ou podemos ser protagonistas da nossa própria estória e sermos os agentes da mudança.

Então, que tal resgatar um pouco do seu sonho e pensar sobre o que você adoraria estar fazendo daqui à 10 anos? Qual o legado que você gostaria de deixar para os seus descendentes?

Espero que esse post tenha te inspirado a mudar. Se você gostou deste post, deixe seu comentário!